O Pornographo - um blog que não sai do corpo (fund. 2005)
quinta-feira, agosto 31
  [110] A função maiêutica de O Pornographo
Não sem ternura, noto que, no último ano, várias blogaranhas se abriram progressivamente às referências pornographicas, editando posts arrojados, voire de verdadeira pornosofia.
Aos recém-nascidos não é dado reconhecer a parteira, e assim é que deve ser. Crescei, pois, em saúde e graça.
 
quinta-feira, agosto 17
  [109] Classificados
A leitura dos classificados é uma fonte de cultura e acrescentamento para quem ultrapassa o preconceito. Três ou quatro vezes por ano encontram-se coisas que nos fazem reflectir. Não? Vai uma aposta? Então vêde o que encontrei hoje:

"Precisa-se de menina que faça broches em ponto ajour. Exigem-se referências".

Talvez seja a ponta do fio que nos levará ao segredo das elevadas tiragens da Las labores de Ana e afins.
 
sábado, agosto 5
  [108] As aventuras do pornographo no país profundo
Como suporeis, o vencimento de um contabilista não é de molde a beber Três Bagos todas as noites. Vai daí, procuro ir buscar, aqui e ali, um pouco da parte que me é devida, raramente prevaricando. Preencho declarações de impostos para deficientes e analfabetos (cobro por peça), presto alguma consultoria pornographica a particulares (o Estado ainda não mostrou interesse, nem através da Cinemateca, nem através dos múltiplos institutos para o livro, a revista, o folheto, etc.) e, ultimamente, vendo ideias em geral.
Foi isso que me levou a meter um dia de baixa e a viajar até às faldas da Serra da Estrela. Tinham-me dito que a freguesia de Vide (concelho de Seia) estava em franco crescimento com o turismo e eu decidi ir lá negociar uma ideia de marketing institucional para atrair ainda mais povo, nacional e estrangeiro.
A proposta era lançar um grande outdoor com uma fotografia do Roberto Benigni vestido de pastor, com um queijo da Serra numa mão e um favo a escorrer mel na outra, tudo encimado por letras garrafais "A Vide é bela!". Ao fundo - aqui já era só uma opção, porque encareceria eventualmente o anúncio - podia estar o Dr. Almeida Santos a sorrir e a acenar ao pessoal. Uma das principais vantagens é que podia ser produzido em todas as línguas latinas, por razões óbvias. Se comprassem a ideia, já tinha pensado em lhes oferecer, de bónus, o texto para a versão inglesa: "Vide is vivid!".
Bem, a coisa não foi para a frente por razões que não interessam, mas que têm muito que ver com ignorância, estreiteza de pensamento, falta de iniciativa, medo de inovar e incapacidade de rasgar o futuro.
De qualquer maneira, lá fui eu para Vide. Achei que convinha ir vestido de forma distinta e simultaneamente ousada. Pus as minhas calças de linho azul-marinho, uns belos sapatos pretos de cerimónia, muito clássicos (pertenceram ao meu tio-avô embaixador) e - esta era a nota arrojada - a minha t-shirt comemorativa dos 75 anos da louça sanitária Valadares. Muito discreta, 100% algodão do Egipto, quase toda branca (em consonância com a louça), só o simbolozinho Valadares que encontrais no local próprio de todos os hotéis e restaurantes conceituados, coroado por uma palma com letras douradas: "75 anos".
O primeiro transporte que utilizei foi um comboio, meio de locomoção que me provoca sempre um doce êxtase, devido à vibração e ao ruído que faz aquela imitação curiosa do Better Things dos Massive Attack (tum-tum-tcht-weunweun-weun-tum-tum-tcht). Ia eu assim absorvido, de olhos semicerrados, quando vejo sentada à minha frente uma matrona silvestre, no Setembro da vida, adormecida e ressonante. Cansada, decerto, dos trabalhos e dos dias da cidade. A saia exageradamente curta para a abundância de tudo o que se sentava no banco, tinha subido bastante. Vittorio de Sica ter-se-ia babado, mas, a mim, a visão daquela donna dormente em tais preparos inspirou-me uma reflexão sobre um dos principais problemas do nosso país e que vem muito a propósito nesta altura: a mata.
É no Verão que toda a gente se lembra da mata. Que está uma desgraça, que ninguém a limpa, que faz começar os fogos, e assim. A gente que tem matas reage de maneiras muito diferentes: quem tem mais vergonha, rapa-a totalmente e orgulha-se de mostrar aos vizinhos o terreno glabro. Outros são pela naturalidade e exibem, desafiadores, matagais imensos onde não entra homem sem pau. Há também a gente manhosa, que limpa só as extremas dos campos, até onde se avista de fora, para "não dar mau aspecto", e deixa o centro cheio de tufos.
A mim quer-me parecer que o problema nunca foi bem compreendido pelas autoridades: a mata pode ser perigosa ou não consoante o local onde cresce e o tipo de vegetação que envolve. Por exemplo: se for nas colinas, é óbvio que se tem de limpar a mata, porque a inclinação dificulta o trabalho dos bombeiros e, com o vento, propaga-se o fogo mais depressa. Já nas pequenas veigas e covas, onde nascem os braços dos rios, é normalmente húmido, pelo que pode ficar uma matinha aparada, desde que aromática (alecrim, rosmaninho, esteva, carqueja, etc.).
Por outro lado, se tiverdes mata nos mamoeiros, não tardeis e limpai-a asinha. Mas se for nas coníferas e nos carvalhos, deixai-a como preferirdes.
 
  • "Não digais: «Dá três sem a tirar». Dizei: «É um simplório»" (Pierre Louÿs, Manual de Civilidade para Meninas)
  • "«Irei pelos penhascos» - disse ele, saindo da gruta" (Lobsang Rampa, O Eremita)
  • "This time we go sublime" (Frankie Goes to Hollywood)
  • APRESENTAÇÃO
    EU É QUE SOU O PORNOGRAPHO
    100 nada
    A Causa Foi Modificada
    A funda São
    A Loira Não Gosta de Mim
    A Natureza do Mal
    Albergue dos Danados
    Almocreve das Petas
    Anarca, aka Ganda Cavaleiro Pornographico
    Avatares de um Desejo
    Azul Cobalto
    ...Blogo Existo
    Bombyx-Mori
    Chez Maria
    Cocanha
    Diário da República
    Estes Momentos
    FFFamel ZZZundap
    fazdeconta
    fluffy Lychees
    Frangos para Fora
    Impertinências
    Lida Insana
    Lugar Comum
    Mar Salgado
    Marretas
    Maus Fí­gados
    Memória Virtual
    Metroplinetida I
    Metroplinetida II
    Núcleo Duro
    O Meu Pipi
    Quase em Português
    Quatro Caminhos
    Sala Oval
    Sem Pénis nem Inveja
    Sexo Sem Nexo
    Solvstäg
    Teste de Limites
    Um Amor Atrevido
    Uma Sandes de Atum
    Voz do Deserto
    Xupacabras
    ARCHIVES
    07/05 / 08/05 / 09/05 / 10/05 / 11/05 / 12/05 / 01/06 / 02/06 / 03/06 / 04/06 / 05/06 / 06/06 / 07/06 / 08/06 / 09/06 / 10/06 / 11/06 / 12/06 / 01/07 / 02/07 / 03/07 / 04/07 / 05/07 / 06/07 / 07/07 / 09/07 / 10/07 / 12/07 / 01/08 / 02/08 / 08/08 / 10/08 / 02/09 / 06/10 / 02/11 / 11/11 /


    Powered by Blogger