O Pornographo - um blog que não sai do corpo (fund. 2005)
sexta-feira, dezembro 30
  [55] Ao Afonso "Crowley" Bivar
O que o menino não conhecia, era o ser do gato no gato, matreiro, a fazer o corpo morto.
 
  [54] Momentos pornographicos de 2005 (em actualização)
A expressão e o riso de Sharon Stone no final do anúncio do William Lawson's. No rules (mesmo que não seja um grande scotch).
As sextas-feiras no Uma sandes de atum (que merecerão um post à parte).
 
quarta-feira, dezembro 28
  [53] Esclarecimento: o rimming e o Oculto
Numa das Notas do Pornographo, falei incidentalmente do osculum obscenum. Alguns pediram-me um esclarecimento, se possível pictórico, do ritual. Lembrei-me então de uma gravura antiga, que tinha visto algures (talvez num livro do Milo Manara); procurei-a nos arquivos da Cocanha, mas, algo surpreendentemente, não a encontrei.
Está aqui, embora sem indicação da proveniência.
De nada.
 
terça-feira, dezembro 27
  [52] O Pai Natal existe!
Hoje passei a lembrar com rancor todos aqueles que, desde a mais tenra idade, me fizeram convencer da inexistência do Pai Natal.
Não que tenha recebido a rena que lhe pedi (provavelmente não pode atender todos os pedidos, sobretudo quando não são muito originais), mas o regresso ao escritório depois da folga de ontem ofereceu-me uma prova fulgurante da sua existência.
Então não é que a engenheira resolveu oferecer às funcionárias, pelo Natal, um soutien de seda?! Tendes noção do que é um soutien de seda?! E então não é que elas combinaram apresentar-se todas ao trabalho, hoje, com os respectivos soutiens vestidos?! E então não é que a temperatura ambiente do escritório começou a subir de repente, não só pelas ondas de ar tórrido que se desprendiam de mim, mas porque aumentei discretamente uns três ou quatro graus ao aquecimento?
Imaginais uma dúzia de mulheres, dos 20 aos 60 anos, entre o 30 AA e o 42 G, circulando por aqui o dia inteiro (nem fui almoçar), com um soutien de seda sob a blusa?
A mim, a engenheira deu-me uma pequeníssima máquina fotográfica, tão pequena que até pensei, na sexta-feira, que era sovinice. É o que dá fazer juízos apressados sobre as pessoas.
Ora, eu hoje tinha trazido o brinquedinho para tirar uma fotografia à mesa onde trabalho e oferecê-la à minha senhoria, que me está sempre a pedir isso.
Já vêdes que o Pai Natal, não só existe, como é boa pessoa, pois proporcionou-me esta feliz coincidência, que, além do mais, me fez aprender a trabalhar com um electrodoméstico em tempo recorde.
Mas não me esqueci da foto para a minha senhoria. Agora tenho é a de a procurar, lá no meio, durante o próximo mês.
 
quinta-feira, dezembro 22
  [51] Querido Pai Natal:
Sei, melhor do que muitos, o que a crise representa para as famílias: um dos primeiros sinais é a quebra nas vendas de lingerie.
Sei que a crise atinge sobretudo os mais necessitados como tu, que andas todos os dias de todos os anos com a mesma roupinha encardida.
Sei também que ninguém te paga royalties pelas cuequinhas vermelhas com pompom branco que surgem anualmente, por esta altura, nos nossos catálogos. Nem pelos soutiens com leves barbas brancas a pender das barbas de baleia.
Mas se quisermos manter vivo o espírito de Natal, temos que partilhar. Por isso, em não te fazendo muita falta, podes deixar-me no sapatinho uma rena (deixo a porta da varanda aberta para não a sujares toda com a fuligem da chaminé; não tenho banheira, apenas um modesto polyban). Pelo andar da carruagem, dará muito jeito no fim de ano.
Se te fizer muita falta, deixa-ma só na manhã do dia 25, por empréstimo, e eu devolvo-ta no dia 24 de Dezembro do próximo ano, a tempo de cumprires os teus deveres. Por essa altura, já terei terminado a minha pesquisa. Não estrago.
 
sexta-feira, dezembro 16
  [50] Quem porfia, não desiste
Nada melhor que o quinquagésimo post para vos informar que creio ter descoberto o título definitivo para este blog. Um blog que não sai do corpo. Nem eu faria melhor. Estou muito orgulhoso.
 
  [49] Dos cuidados especiais requeridos pelas novas tecnologias (homenagem a M. H. Leiria)
Algumas pessoas que fazem o favor de ser minhas amigas enviam-me por vezes produtos e artefactos pornographicos para análise. Hoje chegou-me por e-mail, aqui ao escritório, um piqueno video cujo tema não interessa por aí além. Direi apenas que determinada senhora, sozinha em seu leito, ilustrava bem o tão português provérbio "não se pode meter o Rossio na Betesga".
Desgraçadamente, tinha-me esquecido das colunas de som do computador ligadas. E de repente, por entre os zumbidos constantes da dezena de mulheres que trabalham nesta sala e o matraquear dos teclados, explode, imarcescível, um profundo "HAAAAA-VAAAAAA...". O mundo parou à minha volta e o meu coração com ele.
Felizmente, o meu sentido de oportunidade não me abandonou. Saltei da cadeira e comecei a entoar, acompanhando-a da respectiva dança, Haaaa-vaaaa, naguila haaaa-va, naguila hava, naguila venismecha, huru...".
Aproveitei o estado de choque generalizado (não sou nada de cantar em público, muito menos de dançar) e comecei a explicar-lhes quem foi Moshe Nathanson. Nada como uma boa história para sossegar as mulheres, sobretudo se meter poetas e artistas.
 
terça-feira, dezembro 6
  [48] As notas do Pornographo: A pornographia como impossibilidade de repetição
Por vezes vou almoçar com a Dona C., uma escriturária aqui da firma, a um tasco próximo. A Dona C. é bem entrada nos cinquenta, tem o aspecto de..., como dizer..., uma espécie de Maria Velho da Costa em versão mais desleixada. Por vezes usa carrapito.
Hoje fomos. A certa altura, no meio da minha sandes de carapaus de escabeche (ela pediu um rissol dentro de um pão), deixou cair, a propósito de um jornal aberto sobre a mesa ao lado:
"Sinceramente, não sei o que as pessoas vêem na pornographia. Se forem coisas eróticas, ainda vá, podem até ser bonitas, mas a pornographia... e depois, é sempre a mesma coisa".
Tive de dar dois goles compridos no meu galão para não me engasgar com os carapaus. Mal a pobre sabia que estava perante O Pornographo; e mal ela sabia que naquela simples frase acabava de dar o mote para várias teses de doutoramento: a pornographia percebida como fenómeno exclusivamente visual; o clássico e fastidioso problema da "distinção" entre erotismo e pornographia (e a introdução do critério distintivo da "beleza"); e a pornographia como repetição, logo, desinteressante.
Interessa-me esta última ideia, proposta, pela Dona C.: a pornographia é repetição; como tal, é desinteressante.
Temos que voltar uns 150 anos atrás, a um livrinho publicado por Kierkegaard sob o pseudónimo de Constantin Constantius, intitulado Repetição, onde se nega a possibilidade da repetição. A única repetição, escrevia o "cabeça de queijo" (como era carinhosamente chamado pelos amigos), é a própria impossibilidade de repetição.
Por sob este aparente paradoxo (a impossibilidade de repetição não poderia, por definição, repetir-se), Kierkegaard expunha já uma linha de pensamento que muito nos auxiliará a compreender que a repetição da pornographia é apenas aparente, assim se explicando o persistente interesse dos pornósofos.
Quais meteoritos cegos pelo seu destino, passemos por cima de Freud e de Lacan e detenhamo-nos apenas em Gilles Deleuze e na sua magistral Différence et Répétition (1968).
Aplicando os ensinamentos do homem, ao dizermos que a pornographia é uma repetição, apenas exibimos a nossa incapacidade de representar a diferença e a repetição sem ser por referência a uma mesmidade pressuposta. Quer dizer: não conseguimos representar a "repetição complexa", onde se inclui a diferença, a dissemelhança, o disfarce, a variabilidade, e assim.
Por outras palavras: suponhamos uma gravura onde se figura uma bruxa prestando o osculum obscenum. A generalidade dos cidadãos verá aí diferença - e, portanto, interessar-se-á - por causa da singularidade do motif representado.
Mas suponhamos agora um vulgar grande plano de uma cópula. Onde o homem (e, às vezes, a mulher) comum vê repetição, por reconhecimento da mesmidade trivial da representação, o pornósofo vê diferença - ou, se preferirmos, "repetição complexa" - porque lhe interessa, precisamente, o pormenor diferenciador (=individualizante). Um pêlo heterodoxo, uma ruga inédita, uma cor violeta insuspeitada ou um êxtase irrepetível (não foi a captura desse instante que obcecou tantas gerações de pintores sacros?).
Percebeis agora a importância da diferença entre o complexo de D. Juan e o complexo de Casanova (não, evidentemente, no sentido que lhe deu certo meteco, cujo nome não é digno de figurar aqui). Como alguém (digno de figurar aqui, mas cujo nome de momento me escapa) já mostrou um dia, Casanova, na repetição ritual das suas façanhas, procura, em cada mulher, A Mulher - isto é, a mesmidade sob o acidente, por referência a um estereótipo pressuposto; ao invés, D. Juan procura sofregamente em cada mulher o único, o irrepetível - numa palavra, o individual.
Obviamente, cada pornósofo tem, no seu código genético, um D. Juan. Só que D. Juan era um básico, porque nunca se libertou da carne.
Se um dia a Dona C. ler isto e me reconhecer, espero que saiba guardar segredo no escritório. Em contrapartida, nunca divulgarei o conteúdo da pasta "Temp" do seu computadorzinho.
 
  [47] Última hora
O blog anteriormente conhecido por Anarca Constipado foi tomado por um comando popperiano dirigido por um tal José Manuel Fonseca. Aos gritos de "Viva a sociedade aberta!" e "Já te curamos a tosse", os facinorosos partisans instalaram-se no blog anteriormente conhecido por Anarca Constipado e prometem substituir o constipez por uma linguagem mais cifrada, de forma a dificultar a vida aos iliteratos subversivos que por lá vagabundeavam.
Fontes não identificadas garantem que a comenda de Ganda Cavaleiro Pornographico, em tempos outorgada ao Anarca (e que tanto contribuiu para a Aufklärung de tanta gente que passou a visitar-nos), foi confiscada para ser vendida num leilão a favor dos órfãos da "transparent society"; alguns temem que seja substituída pela Ordem da Jarreteira.
Outros garantem que o Piotr Kropotkine foi visto a fugir do local, com a roupa em farrapos, escondendo a comenda dentro de uma caixa de Kleenex, e que passou à clandestinidade, algures na Serra da Malcata, onde já começou a organizar a resistência.
A situação é ainda confusa e O Pornographo encontra-se reunido de emergência para avaliar o impacto do blitz. Espera-se a todo o momento um comunicado formal sobre a posição deste blog sobre o golpe, a qual será certamente guiada pelo elevado sentido de oportunidade que usualmente nos inspira.
 
  [46] Orgulho e preconceito
Um dos grandes motivos de orgulho de O Pornographo é que ninguém chega a este blogue à procura de coisas eróticas.
Mas é natural que se lembrem dele quando se defrontam e confrontam com testículos electrificados.
 
sexta-feira, dezembro 2
  [45] Sem título (mas com data)
Nasceu um blog chamado BlogCafé que tem uma bela apresentação. Um pouco rudimentar, é certo, quando comparada, por exemplo, com a sofisticação e o requinte do nosso template, mas agradável à vista, ao olfacto e ao paladar.
A propósito de um post sobre memórias e a Vénus de Milo, pus-me aqui a especular sobre como seria interessante se a tal Vénus pudesse escrever as suas memórias (ou mesmo, na falta dos bracinhos, ditá-las a alguém). É que é uma das poucas mulheres que não estavam anestesiadas quando lhe esculpiram os seios.
 
quinta-feira, dezembro 1
  [44] Restauração da verdade: Je suis un voyou
Como se sabe, os franceses não tiveram nada que ver com a Restauração, e, portanto, não são um povo completamente mau. Em sua homenagem, fica um excerto do excelentemente pornographico poema de Georges Brassens Je suis un voyou (com uma homenagem no título do blog ao outro grande Georges, o Wolinski, que completou anteontem 71 anos e 5 meses):

La mignonne allait aux vêpres
Se mettre à genoux,
Alors j'ai mordu ses lèvres
Pour savoir leur goût...
Elle m'a dit, d'un ton sévère :
" Qu'est-ce que tu fais là ? "
Mais elle m'a laissé faire,
Les filles c'est comme ça...
J'lui ai dit : " Par la madone,
Reste auprès de moi ! "
Le Bon Dieu me le pardonne
Mais chacun pour soi...
Qu'il me le pardonne ou non,
D'ailleurs, je m'en fous,
J'ai déjà mon âme en peine :
Je suis un voyou.

C'était une fille sage,
A " bouch', que veux tu ? "
J'ai croqué dans son corsage
Les fruits défendus...
Elle m'a dit d'un ton sévère :
" Qu'est-ce que tu fais là ? "
Mais elle m'a laissé faire,
Les filles c'est comme ça...
Puis j'ai déchiré sa robe,
Sans l'avoir voulu...
Le Bon Dieu me le pardonne
Je n'y tenais plus...
Qu'il me le pardonne ou non,
D'ailleurs, je m'en fous,
J'ai déjà mon âme en peine :
Je suis un voyou.

J'ai perdu la tramontane
En perdant Margot,
Qui épousa, contre son âme,
Un triste bigot...
Elle doit avoir à l'heure,
A l'heure qu'il est,
Deux ou trois marmots qui pleurent
Pour avoir leur lait...
Et, moi, j'ai tété leur mère
Longtemps avant eux...
Le Bon Dieu me le pardonne
J'étais amoureux !
Qu'il me le pardonne ou non,
D'ailleurs, je m'en fous,
J'ai déjà mon âme en peine :
Je suis un voyou.
 
  • "Não digais: «Dá três sem a tirar». Dizei: «É um simplório»" (Pierre Louÿs, Manual de Civilidade para Meninas)
  • "«Irei pelos penhascos» - disse ele, saindo da gruta" (Lobsang Rampa, O Eremita)
  • "This time we go sublime" (Frankie Goes to Hollywood)
  • APRESENTAÇÃO
    EU É QUE SOU O PORNOGRAPHO
    100 nada
    A Causa Foi Modificada
    A funda São
    A Loira Não Gosta de Mim
    A Natureza do Mal
    Albergue dos Danados
    Almocreve das Petas
    Anarca, aka Ganda Cavaleiro Pornographico
    Avatares de um Desejo
    Azul Cobalto
    ...Blogo Existo
    Bombyx-Mori
    Chez Maria
    Cocanha
    Diário da República
    Estes Momentos
    FFFamel ZZZundap
    fazdeconta
    fluffy Lychees
    Frangos para Fora
    Impertinências
    Lida Insana
    Lugar Comum
    Mar Salgado
    Marretas
    Maus Fí­gados
    Memória Virtual
    Metroplinetida I
    Metroplinetida II
    Núcleo Duro
    O Meu Pipi
    Quase em Português
    Quatro Caminhos
    Sala Oval
    Sem Pénis nem Inveja
    Sexo Sem Nexo
    Solvstäg
    Teste de Limites
    Um Amor Atrevido
    Uma Sandes de Atum
    Voz do Deserto
    Xupacabras
    ARCHIVES
    07/05 / 08/05 / 09/05 / 10/05 / 11/05 / 12/05 / 01/06 / 02/06 / 03/06 / 04/06 / 05/06 / 06/06 / 07/06 / 08/06 / 09/06 / 10/06 / 11/06 / 12/06 / 01/07 / 02/07 / 03/07 / 04/07 / 05/07 / 06/07 / 07/07 / 09/07 / 10/07 / 12/07 / 01/08 / 02/08 / 08/08 / 10/08 / 02/09 / 06/10 / 02/11 / 11/11 /


    Powered by Blogger